Uma lista de leituras para te manteres informado sobre o coronavírus #3

Informação fidedigna e de confiança é fundamental em momentos epidémicos como aquele que atravessamos. São também momentos de incerteza, em que as opiniões pouco importam mas é preciso continuar a agir sem deixar de reflectir. Sem pânicos mas com consciência.

Foto de Alex Knight via Unsplash, com Shifter
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

O surto de Coronavírus já é, mais do que uma previsão, uma certeza em todos os países do mundo — mesmo naqueles que, como os Estados Unidos da América, o desprezaram até à última. Com toda a humanidade a braços com o desafio, de pouco mais se fala e sobre pouco mais se escreve pelos jornais mundiais. Contudo, no meio de tanta informação é importante saber fazer uma triagem do que interessa, porque nem toda é fidedigna, nem interessante.

Informação fidedigna e de confiança é fundamental em momentos como o que atravessamos. São também momentos de incerteza, em que as opiniões pouco importam mas é preciso continuar a agir sem deixar de reflectir. Tudo para que essas acções sejam as mais ponderadas e certeiras.

Para te ajudarmos a encontrar boas leituras e conteúdos para que possas estar o mais informado possível, fizemos este primeiro artigo e este segundo. Agora, para continuarmos a actualizar a nossa lista de leituras pertinentes e úteis para ti, lançamos a terceira edição, e poderemos continuar a lançar edições seguintes, caso apanhemos novos artigos de interesse (também podes enviar as tuas sugestões para comunidade@shifter.pt):

1 – Como é que a pandemia vai acabar?

Há duas formas de lidar com um assunto: o obscurantismo do medo ou o realismo da compreensão. O artigo de Ed Yong no The Atlantic escolhe a segunda opção, por muito que as perspectivas sobre evolução do surto não sejam as mais animadoras. O jornalista da revista norte-americana começa fazer uma contextualização recordando um artigo que em 2018 tinha escrito sobre a capacidade dos Estados Unidos da América para lidar com uma pandemia. No artigo Ed reflecte sobre a pandemia e as medidas de contenção, bem como sobre o que prevê serem as próximas pandemias, de problemas de saúde mental e de dificuldades económicas, alertando para potencial modulador desta crise nas futuras gerações.

2 – O coronavírus vai mudar o mundo, o Politico quis saber como

Com o passar do tempo sobre o surto pandémico, surgem as peças de reflexão a tentar antecipar o futuro que aí vem. Foi esse exercício que fez o Politico com um questionário a 34 pensadores sobre 7 temas. O resultado é uma peça dividida em pequenos blocos com a opinião dos diferentes pensadores sobre determinada área das nossas vidas. As previsões vão desde mudanças económicas até a uma maior apetência de cada um para os tachos e panelas, depois de um período obrigados a cozinhar.

3 – O perigo da filantropia em resposta a uma crise

Rob Reich, professor de Ciência Política na Universidade de Stanford é quem escreve sobre o perigo da filantropia em resposta a uma pandemia. Num artigo de opinião que segue a linha de pensamento que lhe é conhecida, lembra que a filantropia pode ter um papel na sociedade, servindo como capital de risco para financiar experiências fundamentais, mas que a resposta a uma doença e a resiliência de um sistema de saúde não pode estar dependente da boa vontade dos mais ricos. O artigo explora a linha de que tal dependência é até um risco para as democracias, uma vez que passaria o ónus da acção e da decisão sobre necessidades e processos para a mão de poucos indivíduos extremamente poderosos.

4 – O vírus pode matar a globalização?

Na rubrica Inconsistência Problemática, Nuno Aguiar, da revista Visão, já nos habituou aos textos simples e fluídos sobre temáticas complexas. Um desafio à reflexão sem palavras caras e sempre com intervenções pertinentes. Este texto é mais um desses casos, reflectindo sobre a dimensão económica da crise que vivemos. Alicia García-Herrero, investigador em Bruegel, e Ricardo Reis, professor da London School of Economics, são os ouvidos para a construção deste raciocínio que vai para além da palavra crise, procurando perceber possíveis re-organizações na economia a nível global segundo a questão de partida: O coronavírus vai trazer um mundo desglobalizado?

5 – Os nossos artigos

Pode parecer presunçoso aconselhar os nossos próprios artigos – e não o faríamos se não considerássemos a sua importância na construção de uma perspectiva sobre o tema. Destacamos nesse caso a entrevista a Srecko Horvat e a peça sobre a presença de Edward Snowden no festival CPH:Dox, ambos nos oferecem uma abordagem histórica ao problema, menos focada na urgência das acções e mais virada para a reflexão sobre o seu potencial a longo prazo. São textos que dão espaço a vozes serenas e sensatas que olham para o mundo com esperança mas sem optimismo.

Também no Shifter estamos a acompanhar o tema.  Podes acompanhar tudo o que vamos escrevendo nesta página. Nas próximas semanas traremos mais perspectivas díspares sobre um tema, aproveitando o momento de crise para reflectir sobre o essencial da nossa sociedade.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.